Ácido fólico ou metilfolato: qual é o mais indicado para quem está tentando engravidar?

Ácido fólico ou metilfolato: qual é o mais indicado para quem está tentando engravidar?

Você já deve ter escutado falar sobre a necessidade do consumo do ácido fólico ou de metilfolato se estiver tentando engravidar. Afinal, o que são essas substâncias, qual é a diferença entre elas e de que forma elas podem ajudar no desenvolvimento do seu bebê? 

De modo geral, ambas são conhecidas como folato (ou vitamina B9), mas existem algumas particularidades entre elas que merecem atenção das futuras mamães. 

Conheça as principais características das duas formas da vitamina B9 e descubra qual é a mais indicada para quem está tentando ter um filho em breve (com a aprovação do seu médico). 

Desejamos uma excelente leitura!

O que é o ácido fólico?

É a forma sintética do folato. Ele é muito importante para o nosso corpo porque atua na divisão e produção das células, é capaz de produzir proteínas e hemoglobinas no organismo e ajuda na manutenção do sistema cardiovascular e nervoso. 

O ácido fólico pode ser encontrado na forma de complemento vitamínico e naturalmente em diversos alimentos, como:

Ao ser ingerido, o ácido fólico deve ser convertido pelas enzimas na forma de metilfolato. Sendo assim, o metilfolato é distribuído pelo organismo e, dessa forma, conseguimos obter os benefícios da vitamina B9.

Apesar das vantagens, alguns estudos afirmam que 30% das pessoas têm dificuldade em converter o ácido fólico em metilfolato, sendo necessária a ingestão direta do metilfolato.

O que é o metilfolato?

É a forma ativa do folato e, ao contrário do ácido fólico, não precisa ser metabolizado pelo organismo, sendo totalmente aproveitado pelo nosso corpo. Por isso, as pessoas que não conseguem absorver o ácido fólico no corpo precisam ingerir a forma ativa do folato, que não é encontrada naturalmente nos alimentos, mas sim em comprimidos. 

Quais são os benefícios do folato para a gestante?

Por exercer um papel tão importante no organismo, o ácido fólico ou o metilfolato é muito importante não só para as pessoas de forma geral, mas também para as mulheres que estão tentando engravidar e para as próprias gestantes, já que os seus benefícios se estendem para o feto. Conheça alguns deles:

Boa formação do bebê

A quantidade ideal de folato no organismo da mulher ajuda no desenvolvimento do tubo neural do feto, minimiza os riscos de parto prematuro e de doenças como espinha bífida e fendas palatinas. 

Fortalecimento dos ossos

O folato pode deixar os ossos mais fortes, prevenir problemas como a osteoporose e ajuda em uma formação óssea saudável, sendo um grande aliado para a saúde da mãe e do bebê. 

Aumento da imunidade

A mulher que tiver uma quantidade adequada de vitamina B9 no organismo estará mais prevenida de complicações, como a anemia e os transtornos depressivos, que podem ser muito prejudiciais durante e após a gravidez. 

Contribui para o sistema nervoso

O ácido fólico é um dos responsáveis pelo desenvolvimento cognitivo e emocional do feto, contribuindo para uma boa formação do cérebro do bebê. 

É importante para o coração

A presença de folato no organismo auxilia na redução da homocisteína, um tipo de aminoácido que pode formar coágulos e trazer complicações cardíacas, se produzido em excesso. 

Ácido fólico ou metilfolato: qual é o mais indicado para quem tenta engravidar?

De forma geral, a ingestão do ácido fólico é a mais indicada para a mulher que não tem dificuldade em metabolizá-lo em metilfolato, porque ele pode ser obtido de forma natural e atende todas às expectativas de quem deseja ter um filho em breve. 

Por outro lado, se for constatado que o seu organismo encontra dificuldades em converter o ácido fólico em metilfolato, então o médico ginecologista deverá indicar a ingestão dessa forma ativa do folato, já que ela não exige que o organismo metabolize a vitamina B9. 

Quando e quanto tomar o ácido fólico ou o metilfolato?

Se você deseja engravidar em breve, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda o consumo diário de 0,4 mg de ácido fólico o mais cedo possível. Alguns especialistas recomendam que essa ingestão seja realizada em até três meses antes da concepção, mas cada caso é um caso, e só um médico ginecologista pode indicar a quantidade e o tempo de uso. 

O consumo de folato antes da gravidez é fundamental, porque a formação cerebral e do tubo neural do bebê começa já nas primeiras semanas de gestação. Portanto, quanto antes a mulher já tiver esse hábito, mais certeza ela terá de que tem a quantidade adequada dessa vitamina no corpo.

Considerações finais

É fundamental ressaltar que a indicação de ácido fólico ou de metilfolato para quem estiver tentando engravidar deve ser recomendada apenas pelo médico ginecologista

Caso contrário, o automedicamento pode ser prejudicial para a saúde da mãe e do bebê. Segundo um estudo da Escola Bloomberg de Saúde Pública da Universidade John Hopkins, nos Estados Unidos, a dosagem excessiva de folato, ou seja, aquela além dos 0,4 mg diários indicados pela OMS, pode aumentar os riscos de a criança desenvolver o Transtorno do Espectro Autista.

Por isso, é essencial seguir as recomendações médicas para garantir uma gestação tranquila e saudável. 

Se você achou que o nosso post possa ter te ajudado a entender sobre ácido fólico e metilfolato, clique aqui e conheça o nosso Hospital Maternidade. 

Temos todo o conforto que você e o seu bebê merecem.

Autor: Equipe HMDL
Publicado há 2 meses

mail_outline
Inscreva-se na Newsletter do Blog do Domingos Lourenço e receba informações sobre maternidade direto no seu e-mail.

As pessoas também estão lendo...