Cuidados com o bebê recém-nascido: reunimos as principais dicas para você ficar mais tranquila

Cuidados com o bebê recém-nascido: reunimos as principais dicas para você ficar mais tranquila

O primeiro banho, a amamentação, as vacinas… São vários os cuidados necessários durante os primeiros dias e meses de vida do bebê recém-nascido. Mas como administrá-los da melhor forma? 

Por isso, preparamos este post para você descobrir quais são os principais cuidados com o seu filhote e o que fazer em cada situação. 

Desejamos uma excelente leitura!

Cuidados básicos com o bebê recém-nascido

Descubra os cuidados essenciais que devem começar ainda nas primeiras horas de vida do seu bebê. 

Vérnix

No momento do nascimento, o seu bebê recém-nascido vai estar encoberto por uma camada pastosa e esbranquiçada, que fica grudada na pele. Não se assuste! Essa substância se chama vérnix caseoso e foi formada ainda dentro da placenta. 

Seu objetivo principal é facilitar a passagem do bebê pelo canal vaginal durante o parto. O vérnix também diminui o risco de infecções e bactérias que são transmitidas pelo líquido amniótico e amadurece a pele do recém-nascido.

Por isso, não se deve tentar retirar nem limpar essa camada. É fundamental deixá-la ser absorvida pela pele do seu filhote de 24 a 36 horas após o nascimento. 

Banho

Passadas as horas após a absorção de grande parte do vérnix caseoso, é hora de pensar nos primeiros banhos do seu bebê. A higiene precisa ser delicada e realizada em um local sem a entrada de correntes de ar, para deixar o pequeno aquecido.

Quanto à frequência, é aconselhável dar o banho no bebê por duas ou três vezes por semana, desde que a região da fralda se encontre bem limpa.

Durante os primeiros dias de vida do recém-nascido, o banho ideal é aquele em que qualquer pessoa possa umedecer um pedaço de pano em água morna (em torno dos 37ºC) e, assim, limpar suavemente as principais áreas do seu corpinho. Para isso, o bebê precisa estar apoiado sobre uma toalha fralda em uma superfície plana. 

Amamentação: tudo o que você precisa saber

Agora, vamos falar de um assunto que desperta dúvidas de muitas mamães. Mas a amamentação pode – e deve – ser um momento especial entre você e o seu filho. Por isso, separamos as principais dicas sobre o assunto.

Como dar de mamar?

Provavelmente, você já se perguntou como oferecer o peito ao seu bebê recém-nascido da maneira certa. O segredo para uma amamentação bem-sucedida é realizar a “pega” correta, isto é, o movimento que o bebê faz para retirar o leite de maneira eficiente.  Há algumas técnicas que facilitam esse processo:

  1. leve o bebê até ao peito;
  2. a boca do bebê precisa estar totalmente aberta, com os lábios abocanhados na aréola (e não somente no mamilo), criando uma espécie de “vácuo” entre a boca e o seio; 
  3. os lábios do bebê precisam estar virados para fora;
  4. o queixo do bebê deve estar encostado na mama, de forma que ele consiga movimentar a língua na região para extrair o leite. Assim, o leite é produzido e liberado ao espremer a aréola;
  5. se o bebê mexer o queixo, estiver respirando pelo nariz e se você conseguir escutá-lo engolindo, é sinal de que a amamentação está sendo realizada com sucesso!

E atenção: a amamentação deve ser realizada em livre demanda, ou seja, sempre que possível e quando o bebê pedir. 

Colostro: a “primeira vacina” do bebê

Durante os 2 ou 3 primeiros dias após o parto, não estranhe se o leite vier com um aspecto amarelado e mais espesso do que o normal. Estamos falando do colostro, o primeiro leite que a mãe produz quando começa a amamentar e também conhecido como a “primeira vacina” do bebê.

O colostro reúne diversos benefícios para o seu pequeno, como: o fortalecimento do sistema imunológico, a proteção contra infecções e a preservação do trato gastrointestinal. Sabe por quê? Pois a sua composição é riquíssima em proteínas, nutrientes e vitaminas A, E e K. Portanto, não deixe de amamentar o seu bebê nesse momento essencial para a sua saúde!

Como administrar a descida do leite?

Geralmente, esse é um processo natural chamado apojadura, que é o preparo da mama para a produção de leite. Nesse período, as mamas ficam maiores, cheias e possivelmente quentes, e é normal descer um pequeno fluxo de leite em forma de gotinhas. 

A apojadura pode acontecer até cinco dias após o parto, mas esse período pode variar de acordo com o estímulo que o peito recebe. Se o bebê amamenta em livre demanda, a descida e a produção de leite podem acontecer mais rapidamente.  

Mas infelizmente, nem tudo são flores durante a amamentação. Algumas mulheres podem enfrentar dificuldades em produzir o leite materno. Por isso, a melhor forma de estimular a sua produção e a sua descida é por meio do esvaziamento da mama. Quanto mais o bebê mama (e esvazia o “estoque”), mais leite é produzido. 

A tranquilidade faz a diferença

Não tem jeito: para uma amamentação bem-sucedida, a mamãe precisa estar calma, pois quando se está tensa, a produção de leite pode ser afetada. 

Por isso, é essencial se preparar para esse momento, especialmente nos primeiros dias (quando tudo ainda é novidade), de algumas formas, como: 

Você pode ver outras dicas neste post e garantir uma amamentação tranquila para você e para o seu filhote!

Dor e desconforto: o que fazer nesses casos?

Você já sabe, mas não custa lembrar: cuidar de um bebê recém-nascido nem sempre é fácil. É necessário ter tranquilidade, paciência e muito amor para estar à disposição do seu filhote quando ele sentir dor e/ou desconforto. Por isso, vamos mostrar alguns dos principais motivos de reclamações do bebê e o que fazer nesses casos.

Cólicas

Geralmente até o terceiro mês de vida, o recém-nascido vai sentir (e reclamar das) cólicas. Não há uma explicação exata para justificá-las, mas um possível motivo é o desenvolvimento do sistema digestivo e gastrointestinal do bebê, que pode causar movimentos de contração e resultar em gases.

Para aliviar a dor, você pode adotar métodos como: 

Regurgitação

Muito comum para os bebês recém-nascidos, regurgitar é o ato de dar pequenos vômitos, especialmente após as refeições. 

Só que em algumas circunstâncias, o bebê pode apresentar complicações relacionadas ao refluxo gastroesofágico ou à alergia alimentar. Se ele tiver sintomas como soluços excessivos, golfo com coloração esverdeada e dificuldade para respirar após regurgitar, é necessário levá-lo ao pediatra para identificar o problema.

Caso contrário, é possível evitar a frequência da regurgitação, adotando medidas como: alimentar o bebê em porções menores para não encher o estômago; evitar deitá-lo ou balançá-lo após as refeições; e colocá-lo para arrotar durante e após as mamadas.

Nariz congestionado

Resfriados, gripes ou rinites podem deixar o seu bebê com as narinas obstruídas. Como ele ainda não saberá assoar o nariz, a sensação pode causar bastante desconforto.

Por isso, é necessário saber como limpar o nariz do bebê para aliviar o incômodo. E a melhor solução é aplicar o soro fisiológico 0,9% com uma seringa plástica ou com um aspirador nasal infantil, que vai ajudar a desobstruir e a hidratar a região. 

Como descobrir o motivo do choro?     

É inevitável: o bebê recém-nascido vai chorar para sinalizar todos os casos de dor ou de desconforto, como os acima. Mas como descobrir o porquê do chorinho? É possível observar alguns sinais que ajudam a identificar a causa do problema.

Se o bebê estiver com cólicas, ele pode reclamar após as mamadas ou no mesmo horário diariamente; enrugar a testa; e transmitir um som prolongado e agudo. Já no caso de aborrecimento, como: calor, frio e roupinhas apertadas, o choro pode ser forte, com um som similar a “he” e acompanhado de constantes movimentos corporais. 

Mas esses não são os únicos motivos. Descubra todos eles neste post e aprenda a identificar e a solucionar os diferentes tipos de choro do seu bebê! 

Terapias alternativas funcionam?

Em casos de dores e desconfortos, o uso de medicamentos deve ser indicado somente pelo médico pediatra. Mas muitos pais recorrem a terapias alternativas, como o colar de âmbar, para tentar sanar a complicação, especialmente em casos de desconforto relacionados ao nascimento dos dentes. 

O colar de âmbar é um acessório colocado ao redor do pescoço do bebê (também pode ser uma pulseira colocada no braço ou no tornozelo) que muitos alegam curar dores, porque o âmbar legítimo contém grandes quantidades de ácido succínico, uma propriedade anti-inflamatória, cicatrizante e analgésica.

Não há comprovações científicas de sua eficácia. Caso você opte por utilizá-lo no seu bebê, preste muita atenção para evitar que o colar o sufoque ou que ele leve as peças à boca. O fundamental é usá-lo com responsabilidade e cautela.

Considerações finais

Como você pôde ver ao longo deste texto, existem muitos cuidados para serem tomados com o seu bebê recém-nascido. Mas não se preocupe! O processo pode ser desafiador, mas é extremamente gratificante. 

Aqui, reunimos alguns dos principais cuidados com o seu filhote, mas é claro que há muitas outras medidas que precisam ser adotadas pelos papais e mamães. Para conferir outras dicas, leia este post.

Se você achou que o nosso post possa ter te ajudado a entender um pouco mais sobre os cuidados com o bebê recém-nascido, clique aqui e conheça o nosso Hospital Maternidade.

Temos todo o conforto que você e o seu bebê merecem.

Autor: avellarmedia
Publicado há 2 anos

mail_outline
Inscreva-se na Newsletter do Blog do Domingos Lourenço e receba informações sobre maternidade direto no seu e-mail.

As pessoas também estão lendo...